Projeções do Mercado Imobiliário para 2017

Existe uma ideia de possível melhora para o mercado imobiliário brasileiro em 2017.

Variáveis que contribuem para uma melhora do mercado imobiliário em 2017 são, dentre outras:

Inflação em queda
A inflação brasileira saiu de 10,7% em 2015 para, aproximadamente, 7,2% em 2016.

Para esse ano, a projeção do mercado financeiro para a inflação é de 5,07%, segundo o BC no último Relatório de Inflação.

A tendência é que se consiga atingir a meta central de inflação de 4,5% estipulada para o próximo ano.

Taxa de juros reduzidas
Quado alta, a taxa de juros, onera o crédito e colabora pra inibir o consumo das famílias e a injeção de capital das empresas, variáveis absolutamente necessárias para a recuperação do crescimento da economia.

Para esse ano a projeção da taxa de juros é de 11%.

Produto Interno Bruto (PIB)
O crescimento do PIB é uma variável que pode contribuir muito para a recuperação do mercado de imóveis, posto que desempenha o papel de medir o comportamento da economia brasileira, além de ser a junção de todos os bens e serviços feitos em território brasileiro.

Assim perspectiva é favorável ao mercado imobiliário, visto que o Banco Central enxerga um cenário diferente para 2017 e mais satisfatório do que o visto no ano anterior. A instituição avisou que o PIB deve crescer 1,3% nesse ano.

O FMI também vê crescimento do PIB em 2017. Segundo a entidade é esperado que a economia brasileira atinja seu ponto mais baixo no início de 2017 para ter um crescimento positivo do segundo semestre em diante.

Outros indicadores diversos
Além de tudo o que foi mencionado, de acordo com o BC, a projeção é de que outros indicadores voltem a crescer. Os investimentos devem chegar ao fim desse ano maravilhoso com uma alta de 5%.

No consumo das famílias, espera-se que mais números positivos sejam apontados: prevê-se uma alta de 0,8% em 2018.

Economia voltando a ficar forte
No cenário de retração econômica, os bancos se tornam mais chatospara conceder empréstimos.

Mas para 2017, preve-se que haja redução de juros, acabando por aquecer a economia. Isso gera:

— Melhora na confiança e renda do consumidor

— Redução na inadimplência

— Aumento dos empregos

— Mais crédito imobiliário, com um menor custo

— Volta do crescimento do mercado imobiliário

O setor imobiliário depende diretamente da situação do país, e já é possível prever uma melhora econômica para os próximos anos. Com a retomada do crescimento econômico e os ajustes que devem ser feitos no cenário político, a ideia é que o mercado imobiliário melhore ao longo de todo esse ano.